Blog

Ao pensarmos no mercado de criptomoedas, o Bitcoin é o grande exemplo que logo vem à mente de todos. Mas, ele já deixou de ser o maior representante deste grupo de cripto ativos.

 

As chamadas altcoins estão cada vez mais ganhando espaço perante consumidores e investidores. Elas abrangem um amplo conjunto de criptomoedas derivantes do Bitcoin, disponíveis de serem adquiridas e investidas no mercado.

 

Suas criações abriram portas para inúmeras oportunidades de desenvolvimento no mercado financeiro, elevando a concorrência de suas aquisições como estratégia competitiva.

 

De acordo com dados divulgados pelo CoinMarketCap, as altcoins representam cerca de 60% do total de criptomoedas no mercado. Uma quantia expressiva, mesmo considerando os outros 40% relacionados exclusivamente ao Bitcoin.

 

Cada um desses ativos possui suas próprias peculiaridades e recomendações de uso, com enorme potencial de retorno financeiro quando utilizado estrategicamente.

 

Por isso, neste texto traremos os principais tipos de altcoins disponíveis, suas vantagens e como comprá-los para usos diversos.

 

Veja os tópicos que iremos abordar:

 

  • O que são altcoins?
  • Como funcionam os altcoins?
  • Quais as vantagens dos altcoins?
  • Exemplos de altcoins;
  • Como comprar altcoins?

 

Vamos começar.

 

O que são altcoins?

As altcoins são criptomoedas alternativas que derivam do Bitcoin.

 

Seu próprio termo, fruto da junção das expressões alt (alternativo) e coin (moeda), indica um amplo conjunto de ativos digitais, que não incluam o Bitcoin.

 

Existem diversos tipos de altcoins no mercado. Em uma estimativa feita também pelo CoinMarketCap em 2022, são cerca de 17.500 criptomoedas diferentes a serem adquiridas, cada qual com suas particularidades e modos de operação.

 

Como funcionam os altcoins?

As altcoins funcionam a partir da mesma premissa do Bitcoin, de forma descentralizada e sem o intermédio do governo ou qualquer outro órgão regulador.

 

Mas, cada ativo possui certas diferenças entre si, em pontos específicos de suas políticas monetárias, uso e tratamento para circulação no mercado.

 

Como exemplo, a grande característica do Bitcoin diz respeito à sua rede de criptografia de blockchain, trazendo segurança para as transações financeiras e evitando riscos de fraudes e vazamentos.

 

Mesmo se tratando de uma medida protetiva extremamente importante, nem todas as altcoins foram criadas neste preceito. Aquelas que usam este meio para serem desenvolvidas, enfrentam um processo longo e com alto custo - fato que abriu portas para outros meios mais ágeis para que fossem criadas.

 

Como alternativa, muitas optam por buscar redes de blockhain já prontas para integrá-las e se lançarem no mercado. A parceria pode ser altamente vantajosa, evitando gastos elevados para o desenvolvimento de uma rede própria.

 

Ainda, outra opção de operação é por meio da divisão de redes, conhecido como fork. Nela, as altcoins são criadas a partir de códigos de moedas originais durante o processo de bifurcação, possibilitando ainda o desenvolvimento de inúmeras derivações de criptomoedas.

 

Quais as vantagens dos altcoins?

As criptomoedas, incluindo as que incluem os altcoins, estão entrando cada vez mais na mira de investidores mundiais. Além de serem fontes seguras de aquisição, trazem uma maior liberdade e autonomia de pagamento, se tornando ainda mais vantajosas por sua menor volatilidade no mercado e menores taxas de compra.

 

O mercado econômico é constantemente impactado pelas altas inflações e variações no câmbio. Em meio à enorme instabilidade de preços, os altcoins se destacam por escaparem dessa linha de fogo.

 

Dificilmente, uma criptomoeda sofrerá consideráveis reajustes em seus valores. Sua crescente adesão no mercado e descentralização perante órgãos reguladores evitam tais impactos, contribuindo para uma menor volatilidade e maior segurança de uso.

 

Graças à sua criptografia, nenhuma pessoa pode modificar, controlar ou manipular o protocolo das moedas digitais. Mesmo diante do acesso permitido para todos, o núcleo de seu sistema é desenvolvido de forma neutra e confiável, impedindo violações de dados.

 

Por fim, ao investir nos altcoins, certamente suas taxas de uso serão significativamente menores em comparação com outras moedas. Em alguns casos, podem até mesmo ser isentas, salvo exceções de transações que exigem uma confirmação de operação.

 

Exemplos de altcoins

O mercado está repleto de modelos de altcoins. Cada qual, com suas características de operação, valores de negociação e atratividade perante os investidores.

 

Veja as mais recorridas:

 

Stablecoins

As stablecoins são criptomoedas com menor volatilidade no mercado, diferentemente do que ocorre com o Bitcoin, como exemplo.

 

Desenvolvidas nos Estados Unidos, foram criadas para sofrerem a menor variação cambial possível ao longo do tempo. Não à toa, são também conhecidas pelo termo de “moedas seguras”.

 

Existem quatro tipos de stablecoins a serem investidas: centralizadas, cripto-colateralizada, commodity-colaterizada e não-colateralizada. Todas, com amplas finalidades de uso, tais como liquidar pagamentos de cartão de débito, nas remessas internacionais sem intermediários, por exemplo.

 

Ethereum

Fundada em 2015, o Etherum é a maior e mais importante altcoin do mercado.

 

Seu lançamento provocou uma verdadeira revolução no mercado de criptomoedas, por meio de uma plataforma que cria contatos inteligentes e aplicativos descentralizados.

 

Inúmeras finanças descentralizadas puderam ser desenvolvidas com sua criação, assim como os famosos tokens não fundíveis como as NFTs, e o próprio metaverso.

 

Litecoin

A Litecoin (LTC) foi uma das primeiras altcoins a serem lançadas no mercado.

 

Criada como uma atualização do Bitcoin, prometia trazer uma maior velocidade nas transações financeiras, assim como menores taxas a serem cobradas e uma maior estabilidade de valor.

 

Suas expectativas de uso eram enormes, com a perspectiva de que tivesse uma ampla aceitação da população como moeda de troca eficiente. Mas, muitos acreditam que ela já perdeu seu posto para concorrentes mais atrativos.

 

Ripple

Lançado em 2012, o Ripple foi criado visando o uso para grandes organizações e instituições bancárias.

 

Utilizando o XRP como token oficial, seus princípios de operação são similares às da Litecoin, visando a maior velocidade nas transações e taxas reduzidas.

 

Desde então, se tornou uma das 10 altcoins mais utilizadas ao redor do mundo.

 

Como comprar altcoins?

Basicamente, existem duas formas de comprar altcoins no mercado: diretamente entre dois usuários, ou através de um Exchange.

 

O segundo caso trata-se de um intermediador entre as partes no mercado, para que possam adquirir a altcoin desejada. Nesse caso, o interessado deve apenas abrir uma conta na plataforma escolhida e, buscar sua criptomoeda de interesse.

 

Em ambas as opções, é fundamental verificar a confiabilidade da altcoin à venda. Afinal, inúmeros golpes no mercado são vistos corriqueiramente sobre sua veracidade de selo e no valor solicitado.

 

Diante de um mercado constantemente suscetível e impactado pela inflação, todo cuidado é pouco. Existem diversos modelos de altcoins disponíveis, o que torna essencial analisar minuciosamente cada uma delas a fim de escolher a que apresenta menor risco de volatilidade.

 

Todos devem realizar uma pesquisa de mercado aprofundada, selecionando aquela que lhe traga a maior confiança possível.

 

Conclusão

As altcoins já ocuparam posição de destaque no mercado mundial de investimentos. Com grande variedade, cada qual apresenta inúmeras vantagens financeiras de aquisição, com fortes perspectivas de se tornarem importantes fontes de transações no mercado.

 

Na busca pela criptomoeda ideal, pesquise a fundo cada uma das opções disponíveis, seus benefícios e possíveis riscos. Assim, conseguirá ter uma visão mais clara sobre sua operação e quando investir.

 

Se você gostou deste texto, compartilhe nas redes sociais e confira os outros artigos disponíveis em nosso blog.